HOME •  INFORMAÇÃO • Artigos
Os perigos de uma cultura não cristã (1 comentário)

Quando chega agosto, é o mês do folclore e muitos pais cristãos ficam chocados com o que é apresentado na maioria das escolas para os seus filhos. Outros pais, nem se dão conta da influência de uma educação escolar não cristã e do repasse de uma cultura pagã no ambiente escolar. Muitos consideram que todas aquelas lendas, parlendas, supertições, cantigas de roda e de ninar, travas línguas, brincadeiras, entre outras manifestações populares nada tem de errado e que tudo é folclore e são apenas tradições de um povo. Quando chega em outubro também não é diferente, com a ‘recente’ aquisição importada do Halloween para o universo cultural brasileiro.
O fato é que hoje quem mais propaga estas tradições(na sua grande maioria pagã) e perpetua tudo isto no imaginário popular tem sido as escolas. Tente agora refletir um pouco sobre estas questões abaixo:
- Você tem idéia do efeito destas imagens mentais de personagens das nossas lendas na mente frágil das nossas crianças?
- Você sabe a origem de muitas destas manifestações populares?
- Será que estas manifestações são dignas de serem perpetuadas com tanto cuidado para as próximas gerações?
- Qual mensagem de graça e esperança que elas ministram aos corações das nossas crianças?
- Será que tudo que faz parte da cultura popular de um povo deve ser aceito sem nenhum critério somente pelo fato de ser tradição?
- O que Deus recomenda que seja passado de geração a geração? (ver o Salmo 78)

Estas são algumas questões, que como cristãos, chamados a ser sal e luz do mundo, tínhamos que nos preocupar. Muitos pais não se dão conta das sementes malignas que são plantadas no solo fértil do coraçãozinho dos seus filhos através da cultura e tradição e que muitas vezes são colocadas a um nível de verdades. Estes pais descuidados sofrerão a mesma dificuldade do agricultor citado no exemplo de Jesus, que semeou boa semente em seu campo, porém quando a plantação cresceu perceberam que tinha joio misturado ao trigo e daí, os seus trabalhadores lhe perguntaram: - Não semeamos boa semente e de onde veio este joio? Ele então concluiu: - Enquanto dormíamos, veio o inimigo e semeou o joio. (Mt. 13: 24-30)

Amados, a infância é o tempo de semeadura na vida de nossos filhos. Precisamos estar atentos em todo o tempo ao que é semeado ao solo fértil dos seus corações.
O folclore é a expressão de um povo e o seu conjunto de crenças e valores. Cada geração tem nas mãos uma responsabilidade e um desafio – passar à próxima geração os seus valores.
Para este desafio, precisamos então conhecer o que realmente tem valor e é digno de ser repassado adiante, pois não podemos correr o risco de passarmos adiante crenças e hábitos somente por serem pertencentes a nossa tradição e que não têm nenhum valor, pelo contrário, não produz esperança e nem eleva o valor do nosso povo. Assim, o único meio seguro de sabermos o que deveremos repassar, é passar tudo isto por um filtro. A Bíblia é o referencial para aferir qualquer cultura! Podemos manter a individualidade cultural de um povo sem no entanto aceitar as suas práticas culturais absurdas, desumanas e pagãs.

Então, o que realmente deve ser ensinado e repassado aos nossos filhos? O salmista responde:
“Contaremos às vindouras gerações os louvores do Senhor, seu poder e as maravilhas que tem feito.” Sl 78:11
Uma grande vantagem de ter seu filho em uma escola cristã, é esta de poder contar com uma aliada na formação da base moral, da imaginação e visão de mundo numa perspectiva cristã. Mais do que evitar estes temas, eles devem ser tratados e estudados numa aborgagem cristã. Temos a responsabilidade de restauração e redenção do mundo a nossa volta e a cultura faz parte disto. A cultura de um povo é o seu segundo meio ambiente, depois do meio ambiente natural. Assim como podemos restaurar o meio ambiente natural, podemos também restaurar o meio ambiente cultural para que este não seja hostil a vida.

Por Rubens Cartaxo - Diretor do ImagoDei


Nota: a palavra "pagã ou pagão" empregada no texto, possui o seguinte significado: ausência de Deus, isto é, tudo que é feito onde Deus(o criador, o deus da bíblia) não possui soberania e fica de fora. Tudo que sugere adoração a falsos deuses. A bíblia apresenta o referencial seguro da espiritualidade humana e toda a prática religiosa deve por ela ser aferida. Qualquer adoração que não seja endereçada ao Deus verdadeiro(aquele que criou os céus e a terra, o deus histórico dos hebreus, o Deus que mostra-se de acordo com a realidade) é considerada falsa - idolatria, paganismo.


Comentário 1: Neilton Fontes (25-06-10)

Prezados, graça e paz.

Primeiro quero parabenizá-los pela idéia de podermos comentar os artigos e expressar nossas opiniões por mais este canal da escola.
Muito bom o seu artigo.
Gostaria de comentar e até agradecer pelo método que o Imago Dei adota de mostrar a cultura brasileira e a cultura bíblica, para que nossos alunos (filhos) possam aferir o que contradiz as Escrituras, melhor ainda com os professores ao lado podendo sanar algumas dúvidas e enfatizar a opinião cristã.
Algumas canções de ninar, parecem que foram feitas para "punir" a criança que não queria dormir, e não para aquietá-la...
Sou a favor que se repasse o folclore, mas que se mostre às crianças o lado equivocado destas coisas, para que elas crescam e aprendam a escolher o que agrada (ou não escolher o que desagrada) o nosso Deus.
~~~
 



Clique para comentar este ARTIGO.
(Obs.: Seu e-mail não será divulgado.)

INSTITUCIONAL
MULTIMÍDIA
INFORMAÇÃO
OUTROS
Rua Cícero Fernandes Pimenta, 433 - Monte Castelo - Parnamirim-RN Fone 84 3272.3432
© 2007-2018 Imago Dei Instituto de Educação Cristã
ConexãoDigital.com