HOME •  INFORMAÇÃO • Artigos
Dia do Trabalho - Reflexões sobre o trabalho

O trabalho como instituição divina

Como escola temos a responsabilidade de ensinar e treinar as nossas crianças através de uma educação para o trabalho ajustada com os padrões perpétuos de Deus para o homem. É importante ensiná-los amar o trabalho e ver as suas recompensas, porém sem desconsider a mão providencial de Deus que os capacita e os sustenta para realizar plenamente os seus chamados individuais. Precisamos tomar cuidado com métodos modernos que não exigem trabalho e responsabilidades das crianças e não valorizam a individulidade dos talentos  e o mérito de cada um.

Uma breve reflexão sobre o trabalho numa cosmovisão cristã
“O Senhor Deus tomou o homem, e o colocou no jardim do Éden, para o lavrar e o guardar” - Gn 2:15.
Buscamos com esta reflexão, uma visão equilibrada para o trabalho através de uma aferição do pensamento bíblico para esta atividade humana. Vejamos algumas palavras importantes ao nosso estudo, bem como alguns textos bíblicos que lançam luz a este assunto.

Definições
Trabalho: aplicar forças e faculdades humanas para alcançar um determinado fim.
Trabalhar: ocupar-se em algum mister[ofício, incumbência, ministério, meta, fim]; empregar diligência; mover; desempenhar; laborar; estar em ação ou movimento; operar; produzir efeitos por ação ou influência.
Laborar: Exercer força muscular; exercer força no corpo ou na mente, ou ambos, na busca de algum desígnio.
Preguiça: aversão ao trabalho; negligência; indolência; morosidade; moleza; ócio.
Virtude: disposição firme e constante para a prática do bem; boa qualidade moral; valor; pureza.
Vício: costume de proceder mal; inclinação para o mal; desregramento habitual; opõe-se a virtude.
Caráter: As qualidades peculiares, impressas pela natureza ou hábito de uma pessoa, a qual a distingue de outras. Uma marca profunda feita por corte ou pressão.

Pensamento bíblico:
- O trabalho como virtude recomendada:
- O trabalho é uma ordem: “Seis dias trabalharás, e farás ...” Ex 20:9 ; Ex 34:4; 35:2; Lv 23:3; Rm 12:8. “Ocupe-se até que eu venha.” Lc 19:13
- Temos o exemplo: “Meu pai trabalha até agora, e eu também trabalho”. Jo 5:17
- Trabalhamos não pelo sustento: “Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que permanece eternamente.” Jo 6:27; Mt 4:4
- Nosso trabalho não é vão: “sabendo que no Senhor o vosso trabalho não é vão”. I Co15:58b
- Produz vida, riqueza, fartura(se tiver a bênção de Deus): Pv 10:16 / Pv 10:4 / Pv 13:4; 21:5.

- A preguiça como um vício condenado:
- Passará fome: Pv 19:15; Pv 6:6-11; 19:24; 26:15
- Cairá a casa: Ec 10:18
- É irritante: Pv 10:26; Pv 21:25
- Nada tem: Pv 12:24; Pv 13:4
- Coloca sempre dificuldades: Pv 26:13
- Ostenta sabedoria: Pv 26:16

O Trabalho e suas Recompensas
A ética bíblica sobre a recompensa do trabalho aponta para questões morais e espirituais, isto é, o trabalho deve glorificar a Deus e servir ao próximo(beneficiar a sociedade). Se trabalhamos como se fosse ao Senhor(Ef 6:5-8), recebemos Dele inúmeras recompensas e não somente pela via do salário, ainda que esta seja justa e digna. Ver Lc 10:7 e I Tm 5:18.

A finalidade do trabalho não é simplesmente para conquistar o sustento, mas prestar serviço e Deus e ao próximo. O nosso sustento vem de Deus.
Por exemplo, digamos que você receba um grande prêmio ou herança e que você tenha muito recurso o suficiente para todos os seus custos, ainda assim você deveria trabalhar? Numa cosmovisão mundana e secular onde o trabalho é para o sustento e para adquirir riquezas, você realmente não precisaria mais do trabalho, bastava viver a vida num intenso ócio e bonança. Porém, logo você se depararia com uma desassossego inerente a alma humana. Preciso trabalhar, pois é uma necessidade inerente ao ser humano e uma devoção ao Criador.

O sustento é uma conseqüência desta obediência. As recompensas do trabalho poderão vir de outras maneiras não esperadas e valorizadas pela visão pagã e secular. Elas poderão vir através da alegria, senso de propósito elevado, realização, saúde física e emocional, serviço(senso de utilidade), amizade, relacionamentos, crescimento em caráter, conhecimento e sabedoria, paz, sustento, graça e tantas outras maneiras.
“Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados ele o dá enquanto dormem” Sl 127:1-2
Em comentário sobre este Salmo, Lutero escreveu: "Você deve, é claro, labutar — mas o esforço é fútil se não faz nada senão labutar e imaginar que está sustentando a si mesmo... Labutar você deveria, mas o sustentar-lhe e providenciar para você pertence a Deus somente" [Plass, 3:1496]

Comentário sobre Lucas 17:7-10. Lutero escreveu em veia semelhante: "Quando vêm as riquezas, o coração ímpio do homem pensa: Consegui isto com meu trabalho. Ele não considera que estas são puramente as bênçãos de Deus, bênçãos que às vezes chegam a nós através de nossos trabalhos e às vezes sem nossos trabalhos, mas nunca por causa de nossos trabalhos; pois Deus sempre lhes dá da sua misericórdia imerecida" (Exposição sobre Deuteronômio 8.17-18 [Plass, 3:1495]).

O Trabalho e o Caráter

Foi através do trabalho que Deus manifestou na sua obra(A Criação) os atributos internos e invisíveis do seu caráter – santo, fiel, organizado, verdadeiro e amoroso. Desde o início, o trabalho foi dado ao homem como uma ordem. Quando disse: “para lavrar e guardar o jardim”(Gn 2:15) refere-se diretamente que Adão tinha um trabalho a ser feito mesmo antes da queda, pois da mesma forma, o homem manifestaria o seu caráter interno através do seu trabalho – sua obra. O trabalho faz parte da própria natureza do homem.
Após a queda, uma nova dificuldade foi associada ao trabalho, pois o que antes era favorável, agora já não era, pois a terra fora amaldiçoada, dificultando assim o trabalho para a produção do sustento. Aqui começa a condição do trabalho como labuta. Porém, ainda é no trabalho a condição mais propícia ao aprimoramento do caráter do homem, pois é através do seu trabalho que o homem contempla o seu interior. Quando nos esquivamos do trabalho, também escolhemos fechar as portas ao refino do nosso caráter. Ser operoso é um traço de caráter virtuoso. O homem deve trabalhar, pois o seu Deus trabalha.

O Trabalho e o Chamado

Como vimos, o propósito do trabalho não deve ser direcionado somente para a busca do sustento, ele deve ser também resultado de uma compreensão bem mais profunda do senso de chamado pessoal que cada um tem a desempenhar em sua vida, para sua própria realização, serviço ao próximo e influência na sua comunidade. Cada um na sua individualidade é chamado por Deus para realização de um trabalho específico através dos dons e talentos individuais. Assim, todo o tipo de trabalho é digno diante de Deus e torna-se um chamado e uma atividade espiritual o seu exercício. Não são chamados somente aqueles que fazem o serviço religioso, mas qualquer trabalho pode ser igualmente um chamado para serviço a Deus e ao próximo se feito como resultado de uma devoção a Deus.
Assim, se todos têm um chamado, como as pessoas podem saber para o quê foram chamadas?
Os Puritanos desenvolveram uma metodologia para determinar seu chamado; não mistificaram o processo. “Deus raramente chama as pessoas diretamente nos últimos dias”, declarou Richard Steele. Qualquer um que alega ter tido uma revelação de Deus "deve produzir dons e qualificações extraordinárias, a menos que não passe de presunção e engano".
Eles ainda preferiam confiar em tais coisas como "os dotes e inclinações internos", "circunstâncias externas que podem levar... a um curso de vida em vez de outro", o conselho de "pais, guardiões, e em alguns casos magistrados'', e "a natureza, a educação e os dons... adquiridos". Também criam que se as pessoas estivessem no chamado certo, Deus lhes equiparia para realizar seu trabalho: "Quando Deus tem-me convocado para uma posição, Ele tem-me dado alguns dons para aquela posição".
Tawney comenta: "O chamado não é uma condição na qual nasce um indivíduo, mas um empreendimento vigoroso e severo, a ser executado, de fato, debaixo da direção da Providência, mas a ser escolhido por cada um por si mesmo, com um sentimento profundo de suas responsabilidades solenes" The Tradesman's Calling Tawney, p. 2411. (p. 241).

Uma vocação não era para ser assumida nem abandonada levianamente. Calvino havia escrito que "cada um deveria se contentar com seu chamado, e persistir nele, e não ser ávido por mudar para outra coisa", acrescentando que Paulo em l Coríntios 7.20 "deseja corrigir a impensada avidez que impele alguns a mudar sua situação sem qualquer razão adequada" e condenar "a inquietação que priva os indivíduos de permanecerem contentes como estão" (Works George, p. 135 - Comentário sobre l Coríntios 7.20). Lutero igualmente castigou "espíritos volúveis e instáveis" que “não podem continuar no seu chamado”. (Sermão sobre I Pe 4:8-11)
 

Conclusão
Espero que esta breve reflexão sobre o trabalho possa aferir o nosso pensamento e recolocar a nossa vida nos trilhos dos propósitos elevados de Deus para o homem, sem corrermos o risco de caminharmos nos extremos perigosos da fadiga ou do ócio.
Que a nossa mente possa ser renovada através da verdade de Deus para o desempenho das nossas ocupação trazendo de volta um senso de realização, importância, gratidão e alegria no exercício dos nossos afazeres, confiando no cuidado de Deus em suprir todas as nossas necessidades a medida da nossa fé Nele como provedor e da nossa diligência em cumprir o nosso chamado.
 

Bibliografia:
- Santos no mundo – Ed. Fiel
- Panorama do pensamento cristão - CPAD
- Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda.

Parnamirim, 1º de maio de 2006.
Rubens Cartaxo

Nota: Primeiro de Maio
O Dia Mundial do Trabalho foi criado em 1889, por um Congresso Socialista realizado em Paris. A data foi escolhida em homenagem à greve geral, que aconteceu em 1º de maio de 1886, em Chicago, o principal centro industrial dos Estados Unidos naquela época. Milhares de trabalhadores foram às ruas para protestar contra as condições de trabalho desumanas a que eram submetidos e exigir a redução da jornada de trabalho de 13 para 8 horas diárias. Naquele dia, manifestações, passeatas, piquetes e discursos movimentaram a cidade. Mas a repressão ao movimento foi dura: houve prisões, feridos e até mesmo mortos nos confrontos entre os operários e a polícia. Em memória dos mártires de Chicago, das reivindicações operárias que nesta cidade se desenvolveram em 1886 e por tudo o que esse dia significou na luta dos trabalhadores pelos seus direitos, servindo de exemplo para o mundo todo, o dia 1º de maio foi instituído como o Dia Mundial do Trabalho.



Clique para comentar este ARTIGO.
(Obs.: Seu e-mail não será divulgado.)

INSTITUCIONAL
MULTIMÍDIA
INFORMAÇÃO
OUTROS
Rua Cícero Fernandes Pimenta, 433 - Monte Castelo - Parnamirim-RN Fone 84 3272.3432
© 2007-2018 Imago Dei Instituto de Educação Cristã
ConexãoDigital.com